Praia

janeiro 17th, 2011

DSCF7358 copy
Praia Arenosa do Litoral Norte Sergipano


A zona costeira, apesar de corresponder a uma pequena porcentagem da Terra, abriga cerca dois terços da população mundial, atraindo as pessoas e aumentando cada vez mais a sua densidade demográfica. No Brasil a costa é constituída de aproximadamente 9.200 km de comprimento real, enquanto o estado de Sergipe apresenta uma região costeira de 168 Km de extensão.

zona_costeira_22956
Zona Costeira Brasileira em: www.wwf.org.br

  

A zona costeira é uma interface entre o ambiente terrestre e marinho e apresenta uma dinâmica que condiciona a construção geomorfológica da linha da costa, com a formação de ambientes como as praias arenosas.

Mas, afinal, o que são praias?

Existem vários conceitos, mas o que iremos utilizar aqui é o de Short (1993), que define as praias como depósitos de sedimentos arenosos inconsolidados sobre a zona costeira, dominado primariamente por ondas. Na terra, a praia está limitada pelos níveis máximos de ação de ondas de tempestade, e no mar, na região onde as ondas cessam o revolvimento de sedimentos de fundo.

As praias apresentam diferenças entre si, podendo ser identificadas como arenosas, ou como rochosas, ou ainda, classificadas em estágios desde muito expostos a muito protegidos. No estado de Sergipe elas são consideradas arenosas, expostas ao mar aberto e estão divididas em 4 setores determinados pela desembocadura dos rios que cortam o estado: rio São Francisco, rio Japaratuba, rio Sergipe, rio Vaza-Barris e o complexo estuarino Piauí-Real-Fundo.

  

MORFODINÂMICA DA PRAIA:

As praias arenosas correspondem a 20% da linha de costa de todo o planeta e são altamente dinâmicas, tendo sua morfologia constantemente trabalhada por uma interação de processos eólicos, biológicos e hidráulicos, facilmente observados nos perfis fisiográficos. Dentre os principais agentes que ocasionam estas mudanças estão:

Analisando o grau de intensidade destes fatores, juntamente com a granulometria, foi desenvolvido um modelo que, com a ajuda de cálculos e tabelas, pode classificar as praias quanto à morfodinâmica em dois estados extremos, dissipativo e reflectivo, e quatro estágios intermediários.

  • As praias dissipativas (Ω > 5) são aquelas com extensa zona de arrebentação, declive suave, areia de granulometria fina, ondas deslizantes com alta energia e presença de correntes de retorno.
  • As praias reflectivas (Ω < 2) são caracterizadas por perfis com a declividade acentuada, areia de granulometria grossa e presença de ondas ascendentes e frontais com baixa energia.
  • As praias intermediárias (2 < Ω < 5) apresentam características que tendem mais a um ou ao outro perfil, com granulometria média a grossa e ondas com energia moderada.

  

Em Sergipe, a maioria das praias é considerada dissipativa.

A morfodinâmica praial influencia também na riqueza, abundância e biomassa da fauna, podendo agir na estruturação e distribuição das espécies, que se encontram intimamente relacionadas ao ambiente físico, dependendo de fatores como o clima, as ondas, a granulometria e as marés. Assim, é extremamente importante conhecer a morfodinâmica para compreender melhor os processos ecológicos.
 
CONHEÇA MAIS SOBRE A FAUNA DAS PRAIAS DE SERGIPE! 

 

SUBDIVISÃO DAS PRAIAS ARENOSAS:

- Subdivisão da região praial:

  • Supralitoral – região acima da linha de maré alta, ficando constantemente exposta.
  •  Mesolitoral – região sujeita às flutuações da maré, ficando exposta durante a maré baixa e submersa durante a maré alta;
  • Infralitoral – região submersa, localizada entre o final do mesolitoral e o início da zona de surfe.

divisão praial

Subdivisão da região praial
 

- Subdivisão da região submersa:

  • Zona de arrebentação – região onde as ondas começam a diminuir a velocidade e a ganhar altura até ocorrer a “quebra”;
  •  Zona de surfe – região que vai desde a quebra da onda até o início da zona de espraiamento;
  • Zona de espraiamento – região delimitada pelo fluxo e refluxo do mar sobre a face praial, sendo responsável pela deposição e erosão do sedimento na região emersa da praia.
     

espraiamento

Região submersa, com destaque da zona de espraiamento
 
 
IMPORTÂNCIA:
 
A praia tem papel fundamental na proteção da linha de costa e é o hábitat de uma rica fauna e flora. Juntamente com essa fauna, também possuem grande importância econômica e ecológica, sendo desenvolvidas atividades nessas regiões como o turismo, a recreação, a pesca, o comércio e as pesquisas científicas.
 
 
  
ATIVIDADES IMPACTANTES:
 
 A praia é uma opção de lazer para muitas pessoas. O banho de mar, as brincadeiras na areia, o vento no rosto são atrativos maravilhosos que levam uma parcela considerável da população a visitar este ambiente. O problema é que, devido ao uso incorreto, as pessoas acabam alterando o ambiente natural e gerando sérios danos.
Em todo o mundo, fortes pressões antrópicas (escoamento de esgotos de bares e de residências; lixo que a população local e os turistas jogam nos locais incorretos; derramamento de resíduos industriais e pisoteio) têm exercido impactos consideráveis na zona costeira, como a contaminação das águas; a poluição; a erosão; a destruição de dunas; o aumento do volume de lixo e a alteração da paisagem e da dinâmica natural.
 
 

uso da praia

Impactos na praia do Saco em Sergipe


O crescente mercado de construções imobiliárias nas áreas de restinga traz, atrelado, problemas de esgoto, desmatamento e destruição da fauna local. Como a maior parte da população se concentra em zonas costeiras, a área afetada é extensa, tornando-se cada vez mais difícil evitar ou minimizar os efeitos da poluição.
A pesca, a navegação e outras atividades marítimas, embora em menor escala, também têm sua parcela na degradação desses ecossistemas. A pesca predatória gera desequilíbrio dos ecossistemas costeiros e marinhos e, além disso, há uma grande quantidade de artefatos de pesca que são perdidos a cada dia, provocando ferimentos e até mesmo a morte de vários animais.

A fauna também enfrenta problemas com a devastação dos habitats, sofrendo efeitos em seus indivíduos e em suas rotas migratórias. Vários animais morrem ou adquirem deformações devido à poluição e, como as espécies fazem parte de cadeias ecológicas, a interferência na dinâmica de um local pode implicar em conseqüências globais.


Veja o folder abaixo, criado pelo Governo do Paraná; pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMA); pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP); pela Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental (SUDERHSA) e pelo Programa da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Desperdício Zero, que ilustra o lixo jogado diariamente nas praias.

especies perigosas

http://www.uc.pr.gov.br/arquivos/File/Publicacoes/Cartazes/Cartaz_Especies_em_extincao_CV.pdf

 

Infelizmente, essa realidade de danificação dos ambientes praiais é muito comum e pode ser conferida nitidamente em algumas praias, que foram tão afetadas que se tornaram inviáveis até para o banho. Em contrapartida, a procura por praias de qualidade tem aumentado justamente pela diminuição da sua disponibilidade.

Não deixe de conferir a BALNEABILIDADE das praias de Sergipe: http://www.adema.se.gov.br/modules/tinyd0/index.php?id=4 
 

Sabendo de todos os perigos que as praias vêm sofrendo, foi criado o Dia mundial da limpeza das praias!! Aqui no Brasil, várias instituições e pessoas já fazem parte dessa campanha, recolhendo uma quantidade enorme de lixo!
 
 
 
Depois de aprender mais sobre esse ambiente tão importante e presente em nosso cotidiano vamos procurar cada vez mais fazer um uso responsável e consciente das praias!! Quanto mais sabemos, mais temos obrigação de agir: Faça sua parte e entre você também na onda da preservação!

Não deixe de ler o postPRAIA LIMPA NO VERÃO”!
BOA PRAIA PARA TODOS!!

DSCF7486



Referências Bibliográficas:
AMARAL, A. C. Z.; AMARAL, E. H. M.; LEITE, F. P. P.; GIANUCA, N, M. 2002. Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da zona costeira e marinha: Diagnóstico sobre praias arenosas. Disponível em: <
http://www.anp.gov.br/brasil-rounds/round8/round8/guias_r8/perfuracao_r8/%C3%81reas_Priorit%C3%A1rias/Praias%20arenosas.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2011.

ARAÚJO, M. C. B.; COSTA, M. F. Lixo no ambiente marinho. Ciência Hoje, v. 32, n. 191, p. 64-67, 2003.

ARAUJO, S. I.; SILVA, G. H.; MUEHE, D. Mapas de sensibilidade ambiental e derrame de óleo: ambientes costeiros, estuarinos e fluviais. Rio de janeiro: Petrobras, 2006.

BAPTISTA NETO, J. A.; PONZI, V. R. A.; SICHEL, S. E. (org.). Introdução à geologia marinha. Rio de Janeiro: Interciência, 2004.

CALLIARI, Lauro Júlio et al . Morfodinâmica praial: uma breve revisão. Braz. j. oceanogr.,  São Paulo,  v. 51,  n. unico,   2003 .   Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-87592003000100007&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  03  jan.  2011.

DAVID, C. J. ; CARVALHO, A. P. C. ; HONÓRIO, M. A. ; PENSE, M. R. ; SAMPAIO, M.C. ; HERNANDEZ, M. C. ; MATOS, L. D. ; OLIVEIRA, T.S. ; GABRIEL, T.P.S. ; FELICE, V. P. . Estudo sazonal da morfodinâmica da Praia do Indaiá, Bertioga (SP).. ConScientiae Saúde, v. 6, p. 335-339, 2007. Disponível em: <http://portal.uninove.br/marketing/cope/pdfs_revistas/conscientiae_saude/csaude_v6n2/cnsv6n2_3o38.pdf>. Acesso em: 27 dez. 2010.

FILHO, A. C. P. Contribuição ao estudo da dinâmica praial. (Programa de Pós-Graduação em Geologia Ambiental), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1995.

GUIMARÃES, C. R. P.; LEMOS JR. I. C.; MARIANO, D. L. S.; SANTOS, C. F.; MENEZES, A. R. Comunidades macrobênticas em praias arenosas de Sergipe. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, VIII, 2007, Caxambu, MG. Anais. Caxambu: 2007. Disponível em: <http://www.seb-ecologia.org.br/viiiceb/pdf/610.pdf>. Acesso em: 10 jan. 09.

JESUS, D. A. S. Excursão à praia como recurso didático de ciências. Monografia de conclusão de curso (Licenciatura em Ciências Biológicas), Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2006.

MARTINS, A. L. G. A macrofauna bentônica das praias arenosas expostas do Parque Nacional de Superagüi – PR: Subsídios ao Plano de Manejo. Dissertação (Pós-Graduação em Ecologia e Conservação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/bitstream/1884/19795/1/Versao%20Final%20-%20Gandara%20Martins,%20A%20L.pdf>. Acesso em: 27 dez. 2010.

SCHMIEGELOW, J. M. M. O planeta azul: uma introdução às ciências marinhas. Rio de janeiro: Interciência, 2004.

SOUZA, C. R. de G.; FILHO, P. W. M. S.; ESTEVES, L. S.; VITAL, H.; DILLENBURG, S. R.; PATCHINEELAM, S. M.; ADDAD, J. E. Praias arenosas e erosão costeira. In: SOUZA, C. R. de G. (ed.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos Editora, 2005.

REGO, E. L. A planície costeira do município de Aracaju: evolução geológico-geomorfológica e degradação ambiental. Monografia. (Pós-Graduação – Latu sensu – Ecologia e Conservação de Ecossistemas Costeiros), Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2007.

VIEIRA, R. C. A.; DI GIOVANNI, P. C.; SÁ, O. R. de. Educação ambiental e ecossistemas aquáticos: uma experiência no aquário de Ubatuba, São Paulo. Revista Fafibe On Line, Bebedouro, SP, número 3, agosto. 2007. Disponível em: <http://www.fafibe.br/revistaonline/arquivos/patricia_educacao_ambiental_ecossistemas_aquaticos.pdf>. Acesso em: 09 jan. 09. 

Sites:
http://www.cem.ufpr.br/praia/pagina/pagina.php?menu=praias
http://www7.cptec.inpe.br/

VOLTAR

2 Respostas em “Praia”

  1. Luana Marinaon 31 jan 2011 at 17:59

    Muito legal esse post sobre praias…muito útil também.

    Qual o dia mundial da limpeza das praias? Aqui em Sergipe isso acontece?

    Valeu pelo conteúdo… Continui assim!!

    Luana Marina

  2. Rony Petersonon 09 maio 2011 at 0:56

    Caramba, muito legal a explicação, usando como base pro seminário de top. zool. =D
    Conteúdo massa!
    Abraços.

Trackback URI | Comments RSS

Deixe sua opinião